14/05/2019


Luiz_MCTIC_4

 

Presidente do Lactec defende mais recursos para C&T

Em reunião com o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, no último dia 9, em Brasília (DF), o presidente do Lactec, Luiz Fernando Vianna, que também preside a Associação Brasileira das Instituições de Pesquisas Tecnológicas e Inovação (Abipti), defendeu a recomposição dos recursos destinados às pesquisas científicas e tecnológicas para fortalecer os ecossistemas de inovação no país. A 2ª Reunião com Cientistas promovida pelo MCTIC teve a participação de 58 entidades, que chegaram a um consenso sobre algumas estratégias para aumentar o aporte financeiro ao segmento. As principais conclusões foram quanto à necessidade de criar fontes alternativas de financiamento e intensificar a divulgação científica para maior engajamento de parlamentares na defesa dos interesses comuns da área de C&T.

Representando a Abipti, Vianna sugeriu mais interação entre a comunidade científica. “Mais do que nunca, é um momento de união entre as entidades ligadas à ciência e tecnologia, para que todos possam se ajudar e contribuir, também, com o ministério. O ecossistema precisa ter forças para que o recurso contingenciado para C&T seja recomposto”, afirmou o executivo, destacando a importância de iniciativas como a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), para que a ciência e tecnologia sejam colocadas em primeiro plano.

Durante o encontro, o ministro sugeriu a criação de um grupo para elaborar um plano estratégico com alternativas de financiamento para ciência, tecnologia e inovação, que pode vir de investimentos da iniciativa privada, da liberação de fundos setoriais, como o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), e por meio de projetos conjuntos com outros ministérios e verbas oriundas de emendas parlamentares para iniciativas regionais.

“A gente tem uma experiência vasta em muitas áreas. Precisamos nos livrar das correntes do orçamento da União, obter mais fundos por outras formas e fazer com que toda a ciência ganhe protagonismo. A comunidade científica e universidades possuem capacidade não só para ajudar a desenvolver soluções, mas também em divulgar a importância da ciência e tecnologia para a sociedade e parlamentares”, afirmou o ministro Marcos Pontes.

O ministro ainda reforçou os principais problemas enfrentados atualmente pelo setor, como a restrição orçamentária e a perda de recursos humanos nas instituições de pesquisa. O orçamento do MCTIC para 2019 sofreu um contingenciamento de 42%, equivalente a R$ 2,1 bilhões.

(Com informações do MCTIC e Abipti)