23/07/2019

Essa foi uma das conclusões do presidente do Lactec no painel que discutiu o tema, durante a FIEE Smart Future 2019


WhatsApp Image 2019-07-23 at 15.01.20 - final

O presidente do Lactec, Luiz Fernando Vianna, foi um dos debatedores do painel Desempenho do Brasil em Inovação e o Apoio à Gestão Empresarial, realizado nesta terça-feira (23), durante a 30ª Feira Internacional da Indústria Elétrica, Eletrônica, Energia e Automação – FIEE Smart Future, em São Paulo. Ele esteve representando a Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (Abipti) e expôs o panorama global dos investimentos em inovação, atendo-se mais ao desempenho do Brasil e às políticas de fomento a projetos de PD&I no país.

Em sua apresentação, Vianna destacou que o Brasil dispõe de um enorme capital de conhecimento técnico-científico e de infraestrutura, provido por instituições de ciência e tecnologia, que, junto de instrumentos de incentivo, favorece a inovação no setor produtivo. Citou como exemplos o Programa de P&D da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), as leis do Bem e da Informática, entre outros dispositivos legais.

WhatsApp Image 2019-07-23 at 14.36.49 - final

Vianna também apresentou vários cases de projetos de PD&I executados pelo Lactec para os quais as empresas contratantes se valeram dos mecanismos de incentivo para desenvolver produtos e aprimorar suas rotinas técnico-operacionais. “Há um ambiente favorável à inovação no Brasil. Temos procurado aproximar o setor industrial das instituições de PD&I e do meio acadêmico para, dessa forma, facilitar o acesso aos recursos ofertados por meio dos programas de fomento”, afirmou o executivo.

Outro ponto destacado por Vianna foram as oportunidades criadas pelas atuais tendências tecnológicas, que podem ser aproveitadas pelo segmento eletroeletrônico, referindo-se ao crescimento da manufatura 4.0, da Internet das Coisas e das cidades inteligentes. “A indústria eletroeletrônica deve estar atenta a esses movimentos, buscar o desenvolvimento tecnológico e a inovação para estar preparada para as novas demandas do mercado”, apontou.

Vianna participou do painel da Smart Future ao lado do secretário de Empreendedorismo e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Paulo César Alvim, e Diretor e Coordenador do Grupo de PD&I da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Luciano Cardim, que atuou como moderador.