29/08/2019

Soluções ofertadas por instituições de ciência, tecnologia e inovação são essenciais nesse processo, defendeu Vianna


Enase1

A importância da participação das instituições de tecnologia e inovação no processo de modernização do mercado de energia ganhou espaço nas discussões do 16º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase). Ao lado de executivos de empresas que estão entre os principais players do setor, o presidente do Lactec, Luiz Fernando Vianna, falou sobre os avanços obtidos em inovação, a partir do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), defendendo o protagonismo de instituições, como o Lactec, na oferta de soluções aderentes às constantes transformações tecnológicas, demandadas pelo setor elétrico.

Para Vianna, o programa Aneel e, em especial, as chamadas de P&D Estratégico têm sido essenciais para apontar alternativas em novos arranjos técnicos, que possibilitem a adaptação do setor elétrico às tendências já eminentes de digitalização, transição para fontes limpas e descentralização da geração de energia. Citou como exemplos as chamadas de P&D em smart grids, armazenamento de energia e a mais recente de mobilidade elétrica eficiente, lembrando que o Lactec coordena vários projetos nessas áreas.

Vianna reconheceu o papel da Aneel no estímulo ao desenvolvimento tecnológico do setor, mas também sugeriu a abertura de uma consulta pública para que os agentes possam apontar melhorias para o Programa de P&D.

Outro ponto defendido por Vianna foi a participação das startups para acelerar o processo de modernização do setor elétrico. “As startups são atores importantes nos ecossistemas de inovação e, aliadas à experiência e qualificação técnica de instituições já consolidadas, como o Lactec, podem contribuir e muito para o avanço tecnológico do setor elétrico”, afirmou o executivo.

O presidente do Lactec foi o único representante de instituição de ciência, tecnologia e inovação no Fórum de CEOs do Enase, que discutiu “A tecnologia como driver da modernização do setor elétrico”. O debate foi mediado pelo presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Thiago Barral, e encerrou a programação da quarta-feira (28/8). O evento se estende até o final da tarde desta quinta-feira (29/8). Participaram, ainda, os presidentes da Engie Brasil, Eduardo Sattamini, da Comerc, Cristopher Vlavianos, da EDP Brasil, Miguel Setas, da Enel Brasil, Nicola Cotugno, da Neoenergia, Mario Ruiz-Tagle Larrain, e da CPFL Energia, Gustavo Estrella.