06/12/2018

Evento, voltado a líderes do mercado de infraestrutura e autoridades governamentais e técnicas, discutiu ao longo de dois dias os rumos do setor no país nos próximos quatro anos


WhatsApp Image 2018-12-06 at 16.32.06

O Lactec esteve representado por seu presidente, Luiz Fernando Vianna, nesta quarta (5) e quinta-feira (6) da 4ª edição do Infra Brazil GRI. Organizado pelo GRI Club, o evento reuniu líderes do mercado de infraestrutura, autoridades governamentais técnicas e representantes do governo federal de transição em debates sobre os rumos do setor no país nos quatro anos a seguir – particularmente em 2019.

Na tarde desta quinta-feira, Vianna participou do painel ‘Geração distribuída – A bola da vez no setor elétrico ou muitas dúvidas no caminho?’, que contou ainda com a participação de André Dabus, da Marsh Brasil; Daniel Costa, da Cemig; David Taff, da Siemens Participações; José Paulo Linné, da BREnergia Renovável; Juan Piazza, da JGP Gestão Ambiental; Ricardo Costa, da GDSolar; e Rodrigo Limp, da Aneel.

Para falar de geração distribuída, Vianna mencionou o exemplo estado norte-americano da Califórnia, que a partir de 2020 exigirá que projetos residenciais contemplem a instalação de painéis solares. Para ele, chegar a esse modelo será um dos desafios que o Brasil enfrentará nos próximos anos. A matriz energética brasileira conta atualmente com 600 MW oriundos de microgeração, concentrada principalmente em consumidores residenciais.

Ele destacou ainda o investimento em fontes alternativas de energia feito pelo setor de  petróleo, citando o caso da norueguesa Equinor, que recentemente associou-se a uma empresa argentina especializada em fontes renováveis para a instalação de uma planta fotovoltaica. Para Vianna, as chamadas para desenvolvimento de projetos estratégicos da Aneel serão fundamentais para a estruturação do setor elétrico frente às novas demandas.

Mais do que uma conferência com palestras e apresentações, o Infra Brazil GRI propõe-se a reunir um público único: decisores do setor de infraestrutura. O modelo é baseado em diálogos e grupos de discussões informais e simultâneas, dos quais todos participam, priorizando os temas mais relevantes para o seu negócio.

Participaram desta edição mais de 25 autoridades do governo federal e das administrações estaduais e municipais, além de mais de 250 líderes de infraestrutura, na maioria investidores e operadores do setor.